Wednesday, February 08, 2006

Alfabeto

Há dias procuro em mim a tua escrita,
tuas marcas e teus desejos
Mas a tua escrita amorosa em minha pele
é alfabeto sem vogais,
único e conceitual,
suave e singular.
É um código secreto
Não está na língua dos povos
e diz respeito ao nosso tato.
Nossos sorrisos e nossos horizontes.
Com a ponta dos dedos absortos
beijo a tua face e num enlace
revela -se a nossa libido.
Tua leitura exige desenhos flamejantes
As linhas vão se firmando
Na minha pele, na tua alma
No meu ser, no teu sonho
Há uma pintura de coração na minha cabeça
E a palavra leitura no lado esquerdo do peito
A tua escrita é leve, tão leve
Que tu me marcas com tinta forte e penetrante
ao invés de lápis e grafite.

Wednesday, February 01, 2006

Teu olhar

Acredito haver muitas esperanças por aí...
Senão por que continuaríamos a escrever histórias? Acordar e ir pro trabalho, estipular metas e tolerar ocasiões? Traçar roteiros, viajar, marcar encontros, conhecer novos amigos? Qual o motivo do bom humor? Da arte, do belo? De onde vem a vontade de sair correndo na chuva, na grama, de sentir o perfume das flores? O desejo de pintar quadros, fazer um novo curso, ensinar o que sabemos? Por que desafiar as crenças, ler livros, compor canções, buscar a fé? Dançar pelos caminhos, andar de mãos dadas, permitir-se apaixonar pela vida, por alguém, por algo? Por que a ousadia de desafiar o medo, a busca de novos conhecimentos, a sensação prazeroza ao ver um sorriso, ao procurar uma estrela, ao contemplar o pôr-do-sol?
Por que esperar pela noite? Por que esperar pelo dia?

Sim, eu acredito haver muita esperança por aí...
E no seus olhos, muito mais.