Monday, August 24, 2009

Hiperligação

Tenho lido o vazio-absurdo do Império das Causas Perdidas, meu único e fiel leitor, e notei o quanto a existência de Desanestesias tem a ver com o ICP.
Não sei se também já é a hora de deixar esse lugar às traças, mas sinto muita dor em pensar em abandonar tudo isso. Não que alguém leia isso, mas me faz bem ter esse refúgio, um lugar onde eu posso sentir eu mesma, escondida no silêncio e nas dobras de uma página de registros pessoais. Clarice Lispector mergulhava numa máquina de escrever enquanto eu me deixo ser aqui nesse blog.
Imagino que talvez daqui à um século, quem sabe, algum estudante ou pesquisador de Letras, História, Sociologia, Psicologia ou sei lá o quê, ache esse endereço eletrônico e comece a estudar como se deu os primórdios da comunicação eletrônica, indo mais fundo na pretensão, quem sabe procurar um olhar cronológico através das mídias do início século XXI, ou até estudar as relações e costumes num mundo em que grandes mudanças sociais estariam acontecendo com o advento de tecnologias e comunicações online.
Talvez cheguem em Desanestesias através de um estudo psicológico-social sobre o neo-vazio beckettiano pós era Bush-WTC de ICP.
As pessoas mais sagazes notarão a história de um romance entre um casal depressivo onde o ápice do compartilhamento sentimental se dá quando ele termina. De maneira curiosa e ABSURDA, é no momento em que estamos separados que a intensidade dos nossos sentimentos aflorecem dando um ar dramático à esse bolero surreal inonimável. Eu diria até que Lord Byron e toda a trupe romântica Azevediana invejariam esse estilo literário criado entre os blogues.
Será que descobririam um de nós como descobriram Christabel LaMotte, na vida do poeta Randolph Henry Ash no filme Possessão? Ou Sylvia Plath? Ou as cartas de Frida Kahlo à Diego Rivera; de Olga Benário à Luis Carlos Prestes...
Sim, eu sei, é muita arrogância querer me comparar com esses ícones notórios do mundo histórico-cultural, mas aprendi que todo e qualquer registro é considerado cientificamente História. O que tive nessa época, tenho a certeza de que nunca mais terei no aspecto intelectual e por quê não emocional também? Já que não é com qualquer pessoa que podemos trocar tamanha afinidade criativa-emocional.
Portanto, a vida de ICP e de Desanestesias não deixam de ser uma referência literária historiográfica também.